Notícias
Recentes
Medida Solar Baxi
14/06/2013
Ver
Desconectores Caleffi
06/06/2013
Ver
Nova tubagem multicamada PERT/AL/PERT Uponor SEAMLESS
15/04/2013
Ver
AcquaLiveExpo | EnergyLiveExpo 2013
20/03/2013
Ver
Fundo de Eficiência Energética – Instalação de sistema solar térmico
20/02/2013
Ver
Novidades Uponor
09/01/2013
Ver
Bom Ano 2013
01/01/2013
Ver
Um Feliz Natal e um Bom Ano Novo
18/12/2012
Ver
O que são os pellets
25/11/2012
Ver
O emissor térmico perfeito, DUBAL HYBRID
07/11/2012
Ver
Acabe com os dias frios
30/10/2012
Ver
3 promoções Uponor
26/09/2012
Ver
Campanha Caleffi Outono-Inverno 2012/13
20/09/2012
Ver
Sultubos participa no festival da Terra
10/09/2012
Ver
Grupo Sultubos na FACIM 2012
05/09/2012
Ver
Sultubos, novo distribuidor da marca Extraflame
10/08/2012
Ver
Sultubos-PME Líder 2012-Renovação de Estatuto
24/07/2012
Ver
Pellets-Poupe até 70% na factura de aquecimento da sua casa
13/07/2012
Ver
Reservámos para si a melhor campanha de verão
31/05/2012
Ver
Feira AcquaLiveExpo | EnergyLiveExpo 2012
28/03/2012
Ver
Magnificas ofertas pelos 30 anos de presença Uponor em Portugal
10/02/2012
Ver
Jornadas Uponor, 22, 23 e 24/02
10/02/2012
Ver
Curso Uponor em Montagem de Sistemas de Auto-fixação por Chão Radiante
08/02/2012
Ver
Sultubos, SA - Estatuto de PME Lider
22/01/2012
Ver
Energias Renováveis - Últimos dias para IVA 13%
20/12/2011
Ver
Boas Festas Sultubos
16/12/2011
Ver
Cabaz de Natal Uponor
12/11/2011
Ver
Dia de São Martinho - Não deixe de visitar a Sultubos
11/11/2011
Ver
Novidades Baxiroca
06/10/2011
Ver
Super Oportunidades!! Promoção 4ºtrimestre
03/10/2011
Ver
Festas da Vila de Corroios
28/08/2011
Ver
FACIM 2011 - Moçambique
28/08/2011
Ver
Grandes Oportunidades!
31/07/2011
Ver
Promoção de Verão
07/07/2011
Ver
Novidades ARMACELL 2011
04/07/2011
Ver
Novo acessório Uponor RTM-Ring Tension Memory Technology
04/07/2011
Ver
Apresentação NOVIDADES UPONOR 2011
04/07/2011
Ver
Balanço positivo da participação na 13ª Tektónica
29/05/2011
Ver
Prémio Promotor Academia Tektónica 2011
29/05/2011
Ver
Tektónica 2011 - Sultubos sempre presente!
11/04/2011
Ver
CAMPANHA BOMBA DE CALOR
26/03/2011
Ver
Novidades UPONOR 2011
12/03/2011
Ver
Como Potenciar o seu Negocio em Tempos de Crise
26/01/2011
Ver
Ferramentas RUKO-brocas de corte, desbaste e rebarbar
19/01/2011
Ver
Uma iniciativa com sucesso!
12/01/2011
Ver
Agravamento da taxa do IVA para 23%
11/01/2011
Ver
Salon International du Bâtiment 2010 em Casablanca (Marrocos), um successo!
20/11/2010
Ver
A Sultubos apoia equipa de futebol Leão Altivo
06/10/2010
Ver
Renovações em casa? Fale connosco
05/09/2010
Ver
Incentivos de apoio à eficiência energética
05/09/2010
Ver
Sultubos nas festas da Vila de Corroios 2010
31/08/2010
Ver
Wilo-Stratos-Pico - A bomba mais eficiente do mercado
06/08/2010
Ver
Quer Ganhar Dinheiro? Fale connosco
06/08/2010
Ver
Ferramentas AEG POWERTOOLS
02/07/2010
Ver
Tektónica - Participação 2010
24/05/2010
Ver
Seminário CLIMATIZAÇÃO XXI - Soluções Eficientes - 12/05/2010 - FIL
29/04/2010
Ver
Sultubos na Tektónica 2010
28/04/2010
Ver
Ferramentas manuais STAHLWILLE
26/04/2010
Ver
Novas tabelas de preços
11/03/2010
Ver
POUPA GÁS até 30%
09/01/2010
Ver
Nova tabela de preços ARMACELL
08/01/2010
Ver
A Sultubos ajuda quem mais precisa
22/12/2009
Ver
Sistema plomyCLICK – Acessório de união rápido em PPSU
02/11/2009
Ver
Grandes Oportunidades em Outubro
02/10/2009
Ver
Novas tabelas AVK e Baxiroca
01/10/2009
Ver
Promoção Setembro de 2009
01/09/2009
Ver
CONDENSAÇÃO A combinação perfeita entre conforto e eficiência energética (rendimentos até 109,8% e originando poupanças no consumo de gás até 35%)
16/08/2009
Ver
EN1329 ou EN1453, as Normas para tubos de esgoto compactos ou tubos de esgoto estruturados
30/07/2009
Ver
Grande festa na inauguração da nova loja Lisboa
20/07/2009
Ver
Publicidade Sultubos no diário Record
06/07/2009
Ver
Nova loja Sultubos na Póvoa de Santo Adrião
08/06/2009
Ver
Sultubos na Tektónica 2009
07/06/2009
Ver
Sultubos presente na Tektónica 2009
10/05/2009
Ver
Novo Web-Site
19/03/2009
Ver
30/07/2009
EN1329 ou EN1453, as Normas para tubos de esgoto compactos ou tubos de esgoto estruturados

SISTEMAS DE TUBAGENS TERMOPLÁSTICAS EM PVC-U PARA ESGOTO NO INTERIOR DE EDIFÍCIOS 

Sabia que…
•Sabia que em Portugal, membro do Comité Européen de Normalisation-CEN, a tubagem de esgoto deveria obedecer à norma EN 1329 para tubos compactos, ou à EN 1453 para tubos estruturados?

•Sabia que as tubagens de esgoto que se aplicaram durante muitos anos obedeciam à NP 1487, segundo a qual o líquido a transportar não poderia exceder, em regime permanente os 40ºC e em curtos períodos os 60ºC, o que as torna incompatíveis com os actuais esgotos de águas quentes, que no caso de máquinas de lavar podem chegar aos 90ºC?

•Sabia que uma tubagem de esgoto de 40 mm, segundo a EN 1329, deveria ter 3 mm de espessura, enquanto que a NP 1487 apenas exigia 1,8 mm?

•Sabia que os tubos actualmente comercializados têm espessuras inferiores e como tal não cumprem sequer os requisitos exigidos em 1978?

•As instalações prediais de águas e esgotos são, actualmente, uma das principais origens de problemas em edifícios, mesmo em construções recentes?

De acordo com a International Standardization Organization (ISO), “qualidade” é a adequação ao uso e a conformidade com as exigências. Na actualidade, o aumento da competitividade, por um lado, e as exigências crescentes dos consumidores, decorrentes de um generalizado aumento do nível de vida, tornam este conceito de Qualidade cada vez mais frequente e abrangente.
Neste contexto e dado que as instalações de águas e esgotos são uma das principais origens de problemas em edifícios em Portugal, considera-se importante reflectir sobre a situação actual e perspectivar estratégias para o aumento da qualidade nestas instalações.
Na verdade, embora não seja conhecida, com rigor, a percentagem das deficiências e anomalias nos edifícios que deve ser atribuída a erros e defeitos na concepção e/ou na construção das instalações de águas e esgotos, existe a noção de que a distribuição de água e a drenagem de esgotos domésticos e pluviais estão na base de mais de 90% dos problemas detectados em edifícios.

Os erros e defeitos nestas instalações traduzem-se, em regra, em significativos factores de desconforto (ruídos, odores, etc.), em durabilidades reduzidas (roturas, avarias frequentes, etc.) e em problemas de humidades, obrigando a intervenções que são, em geral, de custo significativo e de elevada incomodidade.
Contudo, apesar de estarem na base da maioria dos problemas em edifícios, as instalações sanitárias raramente ultrapassam o valor de 5% do custo total da obra, tornando-se evidente a necessidade de prestar mais atenção a esta componente das edificações, onde uma melhoria geral da qualidade pode representar uma redução muito significativa no número de problemas actualmente detectados, sem um acréscimo sensível do custo final do edifício.

É ao nível dos materiais termoplásticos que a situação se pode considerar mais grave em Portugal, em particular no que se refere às redes de drenagem em PVC. Face à generalização deste material na década de 70, foi publicada em 1977 a primeira Norma Portuguesa relativa a tubagens de PVC para drenagem de águas residuais (a NP-1487), onde se definiam as principais características e os principais requisitos a que deveria obedecer o material.
Segundo a NP, “…as características especificadas referem-se apenas aos casos em que a temperatura do líquido a transportar não excede, em regime permanente, 40ºC e, em curtos períodos, 60ºC.”
Esta Norma permitia a aplicação em drenagens de águas residuais de tubos com parede de espessura mínima de 1,8 mm, pressupondo o respeito, naturalmente, pelos limites de aplicação previstos no texto da Norma, em particular no que se refere a temperaturas.

Contudo, é frequente - nas máquinas de lavar roupa, por exemplo -, a descarga de águas residuais a temperaturas superiores a 60ºC (até 90ºC), o que, desde logo, invalida a aplicação do PVC com as características referidas na NP-1487. São conhecidos inúmeros problemas, em edifícios construídos ao longo das últimas décadas, resultantes desta aplicação indevida.

Esta Norma foi revogada em 1998.

As limitações do PVC “série fria” levaram ao desenvolvimento de novos produtos para o sector da drenagem predial e, no âmbito do PVC, à publicação de diversa normalização europeia para correcção da situação, a qual já foi transposta para Portugal. A NP EN 1329, por exemplo, com o título Sistemas de Tubagens em Plástico para Esgoto (temperatura baixa e elevada) no Interior dos Edifícios, foi publicada em Portugal em Setembro de 2002, implicando um indispensável aumento da espessura dos tubos de PVC em 40%, passando a parede da tubagem a ter como mínimo 3,0 mm (para diâmetros até 90mm), de modo a melhorar a sua resistência térmica.

Porém, outras propriedades são também melhoradas, como, por exemplo:
• O isolamento acústico;
•A resistência às sub-pressões ou “pressões negativas” em edifícios de vários andares;
•A resistência ao impacto;

Observa-se, contudo, que o PVC fabricado de acordo com a EN 1329 continua, praticamente, sem ser adoptado em Portugal, com graves prejuízos para o sector, em resultado o desconhecimento destas condicionantes ou, mais grave, da sua aplicação com consciência da incorrecção, por meras razões económicas.

No final de 2003 a Teppfa Portugal solicitou à Secretaria de Estado da Habitação a isenção da obrigatoriedade da homologação pelo LNEC, para as canalizações de PVC-U, abrangidas pelas Normas EN 1329:1, EN 1401:1, EN 1452:2. A decisão foi publicada em Fevereiro de 2004, através do Despacho nº 5558. Com esta alteração esperava-se que o mercado passasse a utilizar apenas tubagens certificadas, o que na prática, não se verificou devido à ausência de fiscalização na construção e ao acréscimo de preço associado ao aumento de espessura dos tubos e acessórios.

Como em muitos outros casos, fica-nos tentar perceber quem vai pagar a conta com tanto disparate e irresponsabilidade.

O construtor tem um problema no esgoto da sua obra, o que com as tubagens actualmente comercializadas, será uma inevitabilidade.

O instalador é chamado sendo necessário substituir a tubagem e pagar os prejuízos.
Este chama o grossista que, por sua vez, passa a responsabilidade para o fabricante.

O local onde o problema terá maior probabilidade de surgir, será onde o instalador aplicou calor, o que não está previsto em nenhuma norma e como tal a responsabilidade está atribuída: instalador.

Se o problema ocorrer noutro ponto da tubagem, a situação também está acautelada, pois os únicos tubos próprios para esgoto doméstico são os que cumprem a norma EN 1329 e a EN 1453, sendo a culpa de quem aplicou um produto numa função à qual este não se adequa: o instalador.

O instalador paga!

Se o instalador já estiver falido, o construtor paga. Se a garantia já passou, o proprietário paga!
Assim é mais fácil de perceber porque motivo muitas fábricas e a generalidade das empresas distribuidoras não se interessam: VOCÊ É QUE PAGA!

Face ao exposto é oportuno alertar o mercado para a necessidade de utilização de produtos conforme as Normas Europeias em vigor, nos casos em que estas já tenham sido adoptadas.
*Esta recomendação é válida para todos os sistemas de tubagens termoplásticos, independentemente do material ou aplicação.

Pedido de Visita Comercial
Pedido de Registo
gota2.jpg